segunda-feira, 4 de julho de 2016

5:19

Me deixa estar
Pensamento agudo
Inquietante

Que não há mais
Seiva

Me deixa estar
Ideia fixa
Prepotente

Pensamento virado e
Revirado
Tão mais desconhecido
Agora
Que o destrinchei.

Me deixa estar
Que já não consigo
Fixar os olhos
Em linha reta

Fico dançando
Trôpega
Feito barata tonta
De tantas fantasias
Que cultivei

Se meus olhos
Pudessem
Também permitiriam
- em sua condição
de primeira chuva –
Que me pusesse a chorar

Muito embora
Teime
em encobrir
Todo e qualquer sentimento
Que se esconde
nas covas
de um sorriso

Quero
Tanto
Mas tanto!
Que me deixe

Ou sumo.

Lis 04/07/2016