segunda-feira, 29 de junho de 2015

"Eu tenho que fazer algo da vida enquanto eu."

Este é quase um pensamento compulsivo, dos teimosos e latentes pululando a cada picada da salada e girada da maçaneta do apartamento.

Surge quando utensílios deveras supérfluos caem em minhas mãos por descuido, relembrando-me que o passado, assim como o que está por vir, jaz manso e extenuado sob as linhas do tempo.


Lis 29/06/2015