sexta-feira, 1 de novembro de 2013

A todas as senhoras de blusa florida e grampos no cabelo

Lhe era agradável sentar-se e não sentar-se no muro divisório do jardim, como se ficar apenas encostada a permitisse fugir ao menor sinal de perigo.
 Estar e não estar. Uma brincadeira que as crianças adoram. Toc, toc. Quem é? Silêncio.
Entristece-me o fato de não mais estar quando, tão brevemente, esteve. 
Às vezes chorava ao lado da hortênsia mesclada de azul e rosa, 
quando não verde; e soluçava em silêncio a esperar a neta que arrancava as pétalas da primavera.
Almejava uma dor nova que se sobreposse à antiga e inspirasse sua existência.
Talvez tenha se dado conta - tarde demais - das coisas que lhe eram vida, mas que, antes de mais nada, traziam a morte.