sexta-feira, 27 de julho de 2012

Mrs. Damit

O jardim da Senhora Damit já não era o mesmo. As trepadeiras não mais cobriam a cerca e a casa exibia sua vulnerabilidade como jamais fizera. Os arbustos não tinham flores e o inverno empobrecera as plantas. De fato, a ausência de seus cuidados diários afetara aquilo que em sua idade constituía seu maior tesouro.

A rotina e seu zelo foram surrupiados ao lado de seu adorável pastor alemão que apesar de altez era o mais amigável dentre os demais. A casa jazia solitária e triste. Há muito que a vida era corriqueira e calada. Embora as aventuras e experiências sejam superestimadas, podia-se considerar aquilo como o máximo de felicidade que alguém pode conseguir. Abandonado na relva estava o sopro do que fora.

O que lhe acometera não era segredo para a vizinhança: "Alzheimer" - sussurravam. Talvez o esquecimento fosse a salvação de tão rasa existência. Quiçá em sua fantasia estivesse a regar petúnias. A verdade é que enquanto os filhos distantes buscavam se aproximar, os netos e bisnetos aproveitavam o espaço da melhor maneira possível.

Quão injusta pode ser a existência. Nem mesmo a banalidade consegue passar despercebida.

                                                                                                 Lis, sexta-feira, 27 de julho de 2012