quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

prosa.

- Você não sabe o quanto é ignorante.

- Não, não acho que eu seja ignorante.

- É claro que você não acha. Você não pode saber disso porque jamais transcendeu este fato. Se o tivesse feito, saberia o quão ignorante foi. Mas, como não o fez, não sabe o quanto é. Você jamais provou da mudança. Você é tão apática quanto as fotos que tira.

*

Lígia Portela Schipper; quarta-feira, 01 de dezembro de 2010. 23:44